ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE PROCLAMADO INTELECTUAL DO ANO DE 2014.

ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE PROCLAMADO INTELECTUAL DO ANO DE 2014.

LENDA DA "BAILARINA" ANA

LENDA DA “BAILARINA” ANA

A chuva caia fina e persistente, era uma tarde de sábado em plena primavera; o clima era agradável; e pela vidraça da janela avistava-se o campo verdejante. O Jardim que ficava na frente e em uma das laterais da casa, estava lindamente florido, multicolorido e esbanjando um aroma gostoso, que estimulava aspirá-lo profundamente, num suspiro suave, prolongado e repetido. Naquele momento, não se avistava os colibris, presença continuada nos dias claros e ensolarados, pairando sobre as rosas, dálias, crisântemos, girassóis, margaridas e tulipas, nem as borboletas, sempre numerosas, uma das criaturas voadoras mais belas, que vinham colorir ainda mais a paisagem; mesmo assim o panorama era espetacular; as folhagens encharcadas pela chuva branda, levemente soprada pelo vento, faziam jorrar as águas acumuladas, como se fossem lágrimas de felicidade. No interior da residência, o casal, ainda moço, que havia contraído núpcias um pouco além da adolescência, conversava e assistia alegremente seus quatro filhos e filhas, três lindas meninas e o primogênito, que brincavam; dedicando, no entanto, atenção especial para a caçulinha, que bailava enquanto seus irmãos entoavam cantigas infantis, o que fazia desde os seus primeirinhos passos. Tudo parecia perfeito naquele lar, que fora constituído sob as inspirações do amor. Durante os mais diversos assuntos que o casal tratava, especulava-se sobre o futuro das crianças. – Dizia a D. Marta: - Vou cuidar para que minhas filhas sejam bastante prendadas; elas vão saber pintar, bordar, marcar, costurar e cozinhar... Enquanto o Senhor Herculano profetizava... -nosso filho, Hermínio vai pra cidade estudar, vai ser veterinário, para cuidar do gado e continuar os serviços da propriedade.

Assim começou esta história, contada pelo Senhor Arivaldo e D. Rutinha, casal que morava numa propriedade vizinha, amicíssimos da família e que nesse dia ao passar pelas proximidades da residência dos sitiantes, resolveu dar uma chegada, para se abrigar das chuvas, que nessa hora era mais intensa.

O Senhor Herculano, homem de respeito e querido na região, a despeito de ser o mais novo proprietário, entre os outros, era reconhecido como trabalhador, honesto, cumpridor de seus deveres e muito prestativo; gostava de reunir com os amigos para prosear, falar das suas experiências na lavoura, com o gado e falar do sonho que alimentava de ver o filho, formado, prestando assistência aos criadores da região e dedicando-se a terra.

Enquanto isso, o menino, que estava para completar onze anos de idade, acordava todos os dias, bem cedinho, e caminhava até a escola rural que ficava aproximadamente uns três quilômetros de distância de onde morava; na volta dos estudos, ainda ajudava o pai a complementar a ração dos animais e recolhe-los ao curral. Como todo menino, gostava de montaria e nos fins de semana juntar-se a garotada para jogar futebol.

O tempo passava, e com muito trabalho, dedicação e perseverança, os planos do Senhor Herculano pareciam ser mais ambiciosos; e toda família se reunia nas atividades diárias de plantação, colheita, tratamento dos animais. D. Marta ensinava às filhas, as prendas domésticas; Rosália, a filha mais velha já costurava e bordava com muita habilidade, além de usar muito bem a arte de pintar; Isolda, sua outra filha, também muito dedicada, já executava lindos pontos de marca e preparava temperos excepcionais; com exceção da mais jovem, a Ana, que bailava o tempo todo, desde muito pequena, bastava ouvir uma música, o cantarolar da mãe, dos irmãos, ou dela mesma, entoando sons para movimentar os braços, os passos e executar os rodopios; até mesmo quando escutava a passarinhada gorjeando e no silêncio de suas caminhadas a caminho da escola, ou outro qualquer, por onde passava. Apesar da influência da mãe e das irmãs, não conseguia aprender, nem mesmo, prender um botão ou costurar uma bainha. Isso incomodava demais os seus pais, que preocupados, não entendiam a fascinação pela dança e conter o desejo incontrolável de bailar da bela filha, que no passar dos dias, crescia mais formosa, mais encantadora, cuja beleza chamava a atenção de todos que a avistava.

No teatrinho improvisado da escola, lá estava a Ana sendo aplaudida pela platéia entusiasmada; da mesma forma, nas festinhas de aniversários, quando era convidada para exercer a sua arte. Os seus passos pareciam leves como a pluma, seu equilíbrio era perfeito, seus movimentos tinham graça e precisão; as poses e passos eram primorosamente combinados; e a admiração maior, de todos que a conhecia, era saber que ela nunca esteve numa escola de Balé e, no entanto executava com perfeição o cambré, batterie, battement, glissé, deboulés, fouetté e tantos outros passos do balé clássico.

Toda essa sua paixão pela arte de dançar e a beleza com que fazia, foi se tornando cada vez mais conhecida, e essa informação ia chegando aos teatros, às companhias e as escolas de danças.

A curiosidade a respeito, e o desejo de conhecer tão magnífica dançarina, foram crescendo, despertando o interesse dos coreógrafos, de importantes e consagrados diretores de teatros da época. Ao mesmo tempo, que crescia a fama, também crescia a inveja, o despeito, a ciumeira de outras jovens e a intolerância de algumas dançarinas que não conseguiam por mais que esforçasse, se apresentar com o mesmo encanto e perfeição; e chacoteavam dizendo: Como pode uma bailarina da roça, que nunca freqüentou uma academia de dança, ter a petulância, a audácia de se denominar bailarina.

Ana, a majestosa dançarina, não se importava com esses comentários desairosos. O seu sonho de dançar era cada vez mais fluente; o importante era bailar, flutuar pelos palcos, passear entre os cenários, flores, luzes e encantar as platéias. O seu gosto de menina, foi se transformando em aspiração; enquanto as apresentações imaginadas não aconteciam, continuava bailando pela casa, pelo jardim, fazendo com as borboletas, que sobrevoavam as plantas, coreografias ritmadas por numerosos pássaros, que pareciam conhecer os seus anseios, daí formando uma orquestra canora de sonoridade esplendorosa, verdadeiramente indescritível. Nesses momentos, a natureza postava-se para apreciar o espetáculo; às arvores, os animais ficavam completamente silentes e os ventos brandeavam; as águas de um pequeno córrego que ficava nos arredores, magicamente se continham.

O mistério de Ana, assim passou a ser murmurado o fato de tão encantadora jovem, que nasceu e residia em área rural, afastada da cidade, e que tinha gestos suaves, singelos, gentis, além de inexplicavelmente dominar a arte de dançar de maneira perfeita e de exuberante beleza.

Um belo dia, ensolarado, ainda pela manhã, Ana seguida por uma nuvem de pássaros que sobrevoavam em sua volta, bailava por um dos caminhos, da propriedade onde morava, o que não era novidade, pois muitas vezes assim procedeu, adentrou a uma pequena floresta onde costumeiramente dançava contemplando a natureza.

Como demorava muito para retornar a casa, nunca havia se afastado por tanto tempo, a sua mãe, já aflita, pediu ao filho que estava chegando para que fosse procurar a irmã, e este ao ouvir o relato do que estava ocorrendo, imediatamente retomou a montaria e saiu a sua busca; porém foi inútil, não a encontrou em nenhuma parte, assobiou, gritou e não recebeu resposta.

Como o sol já se escondia no horizonte, e o filho também não retornava, a D. Marta, desesperada, acompanhada de suas outras filhas, saiu pela redondeza pedindo ajuda para que os procurassem e os encontrassem, pois temia que algo muito grave pudesse ter acontecido.

O Seu Herculano, que tinha ido à cidade próxima, tratar de interesses da família, chegando a casa, já anoitecendo, e não encontrando ninguém, ficou com o pressentimento de que algo muito estranho estava acontecendo; o jantar não estava pronto, o fogão apagado, os bordados que suas filhas estavam fazendo encontravam-se desarrumados na mesa da sala, o que não era comum; acendeu o lampião, pois a casa estava totalmente às escuras e diante da demora da mulher e dos filhos, também retomou a montaria, que ainda não havia retirado os arreios, e levando em uma das mãos um lampião aceso, a noite já estava bem escura, saiu a procura dos seus, quando em uma das propriedades vizinhas, uma senhora que permaneceu em casa, relatou o que estava ocorrendo e que todos saíram a procura da jovem desaparecida.

Abatido pela preocupante notícia, Seu Herculano partiu rapidamente para se juntar aos demais, e depois de muito caminhar, encontrou a D. Marta, as duas filhas mais velhas, todos os seus vizinhos, empregados das propriedades próximas, que com fachos de luz, lampiões vasculhavam todos os lugares sem encontrar a ditosa moça. Cansados, pelas horas de incessante procura, ninguém admitia desistir de dar continuidade as buscas, estavam determinados, mesmo sabendo que teriam de enfrentar a escuridão e outros riscos por ela proporcionados.

Ainda sem saber explicar o que aconteceu, pois de nada recordava, Hermínio, que foi encontrado caído, sem sentidos, ao lado de sua montaria, que permanecia ali, parada,como se estivesse protegendo a sua integridade, era um dos mais abatidos, pois passou quase todo o dia, sem água e se alimentar, a procura da talentosa irmã. Com as forças abaladas, também insistia para que as buscas não fossem interrompidas.

Varou-se a noite, o dia já estava clareando, os primeiros raios de sol chegavam, ainda que timidamente, e não se tinha o menor vestígio da bailarina.

Cada espaço, cada parte da propriedade foi minuciosamente averiguado, sem sucesso. O que teria ocorrido? Como alguém poderia desaparecer assim, tão estranhamente, sem vestígios, sem uma razão aparente? Não havia estranhos, que se tinha conhecimento, o lugar era pacato, todos se conheciam e eram amigos e jamais ouve um caso de desaparecimento naquele local, que se tivesse notícia.

O ocorrido passou a ser de conhecimento de toda a região, auxílios foram solicitados, mais pessoas se integraram aos grupos de buscas que foram formados.

Continuava o mistério!... Nenhuma informação que pudesse ajudar, e cada hora que passava, maior era o desespero dos familiares. Onde a Ana poderia estar? Perdida... Não seria o caso, pois conhecia bem todo o local!... E se tivesse ferida, não pudesse caminhar, ou se algo pior aconteceu? Aumentava o drama! O medo de não encontrá-la salva, com vida afetava o coração de todos, principalmente dos seus pais.

D. Marta, que muito havia chorado, sob os cuidados de algumas amigas, ainda em lágrimas, dizia: Meu Deus, onde está a minha filhinha, tão bonita, tão feliz?

Depois de longa busca por toda a região, sem nenhum sinal da filha tão querida, Seu Herculano resolveu derrubar toda a mata que tinha na propriedade; acreditava ser aquela a última medida a ser tomada para encontrar a jovem Ana.

Tomou todas as providências, contratou pessoal, fez mutirões e a floresta, antes tão preservada, foi definitivamente cortada, não restou uma árvore de pé.

Nem deste jeito foi encontrada a bailarina ou qualquer vestígio seu!

No local da bela floresta, ficou um descampado, que por longo tempo não brotava um mato qualquer.

Da Ana, só restava a saudade, a lembrança da linda jovem, alegre, sorridente e que vivia dançando.

Seu Herculano pensava em vender a propriedade e ir para bem longe dali, pois, para cada direção que olhava, vinha na memória, a imagem da Ana, dançando, sorridente e feliz... Com o que discordava D. Marta, mesmo tendo passado tanto tempo, continuava com a esperança, que sua filha, a caçulinha Ana iria voltar.

Anos depois, no descampado, onde existia vistosa floresta, brotou uma única árvore, que foi crescendo, tomando forma, ficando a cada dia mais bonita... Ali, estava a bailarina, de braços suspensos num passo mavioso do balé clássico.


AI ESTÁ ANA, QUE NASCEU BAILARINA - ETERNIZADA PELA NATUREZA!

Roberto Pinheiro Acruche


Resumo em Trovas

Ana, linda bailarina,

nasceu, só para dançar;

foi desde muito menina

que começou a bailar!


A todos ela encantava

com sua arte e beleza

e quando ela bailava...

seduzia... a natureza...


Os pássaros gorjeavam,

era só raiar o dia

as borboletas voavam

fazendo coreografia...


Tudo no tempo parava

para fazer cortesia,

até o vento abrandava

quando a Ana aparecia...


Por inveja e por despeito,

foi vítima da maldade...

Desapareceu de um jeito

que ninguém sabe a verdade...


Dizem que foi na floresta,

mas nunca foi encontrada,

por isso, há quem atesta,

que a floresta foi cortada...


Vingando-se... certo dia,

a floresta reagiu,

onde a floresta existia

a bailarina surgiu...


Uma árvore de beleza

sem que outra igual exista,

assim fez a natureza

uma estátua da artista...


Roberto Pinheiro Acruche

EXPRESSÃO POÉTICA EM MINHAS TROVAS Nº 02 -












MINHAS TROVAS Nº 01




ESTÁ CHEGANDO O ANO NOVO!

Após as comemorações natalinas, quando o amor, o carinho e a ternura imperaram nos nossos corações, a fé foi novamente fortalecida, as famílias se reencontraram, os amigos se confraternizaram, o mundo ficou mais florido, elevaram-se os espíritos da esperança e o sonho de um novo ano começa a materializar-se.











FELIZ ANO NOVO!

FELIZ NATAL!


FELIZ NATAL

Meus Amigos,
para vocês que fizeram de Jesus o seu guia,
a cada manhã a cada dia
cultivando o amor no coração!

Para vocês, que trilharam por
bons caminhos:
não maltrataram os animais, alimentaram os passarinhos
e repartiram o seu pão!

Para vocês, que souberam ser amigos:
que consolaram, acalentaram e deram abrigo

e que ao inimigo deram perdão!

Para vocês, que irradiaram a esperança;
que tiveram compaixão

que fizeram sorrir uma criança
e aos que precisavam estenderam a mão!

Para vocês, que na pobreza ou na riqueza
na ventura e desventuras do mundo
não perderam a fé, e não levaram a vida em vão!

Para vocês,
que cultuam a tradição do cristão:
na paz, na caridade, no amor e perdão!

FELIZ NATAL PARA VOCÊ MEU AMIGO

PARA VOCÊ MEU IRMÃO!

Roberto P. Acruche

ROBERTO ACRUCHE PARTICIPA DO PROJETO SUPER LEITORES DA SMEC - SÃO FRANCISCO DE ITABAPOANA

Foto - Flori Fernandes

Foto - Roberto Acruche

Foto - Flori Fernandes

Foto - Roberto Acruche

Roberto Acruche – Escritor, historiador, trovador, poeta, Delegado da UBT, Assessor da Senadoria da Sociedade Congresso Cultura Latina – Seção Brasil-RJ, Acadêmico efetivo da Academia Pedralva Letras e Artes, participou do "Projeto Super Leitores", na condição de jurado – convidado pela Secretaria de Educação e Cultura de São Francisco de Itabapoana.

Na tarde desta terça-feira (21/12), a Secretaria de Educação e Cultura de São Francisco de Itabapoana realizou a etapa final do "Projeto Super Leitores". O evento aconteceu no salão Ana festas, no centro da cidade, e contou com grande participação de professores e familiares dos alunos. Todos os 17 candidatos da última fase ganharam certificados de participação e um kit didático contendo livros de acordo com a faixa etária. A secretaria de Educação e Cultura premiou os primeiros colocados com netbooks.
O prefeito Beto Azevedo fez elogios aos educadores: -“Quero destacar a participação dos professores pelo empenho em educar e incentivar nossas crianças, afinal eles são o futuro do nosso município”.
O Projeto foi dividido em três categorias: Mirim (1° ao 3° ano), Pré-juvenil (4° ao 6° ano) e Juvenil (6° ao 9° ano). Em cada categoria os alunos leram o mesmo texto. Os jurados usaram como critério de avaliação a dicção, a velocidade, a altura, a intensidade e a expressividade dos alunos.
Ao final, o primeiro lugar de cada categoria recebeu um netbook, o segundo uma câmera digital e o terceiro lugar um kit com jogos didáticos.
A secretária de Educação e Cultura, Yara Cinthia Nogueira falou das razões do projeto: - “Esse procedimento de leitura em voz alta já existia na antiguidade quando se recitava poemas. Nosso objetivo foi trazer essa prática tão esquecida no intuito de tornar a leitura muito mais dinâmica e contagiante”.

Os vencedores do concurso cultural, foram:

Categoria MirimTexto: “Sem” - Roseana Murray

1º lugar _ Santhiago dos S. Machado - E.M.Manoel Alves de Carvalho (Praça Imaculada)

2º lugar - Luciana de Fátima - E. Municipal de Gargaú (Gargaú)

3º lugar - Manoel Alexandre dos Santos - E.E.M. Domingos dos Santos (Ponto de Cacimbas)


Categoria Pré-Juvenil
Texto: “O Leão e o Ratinho” _ Fábula.

1º lugar _ Letícia C. da Silva - E.E.M.Dirceu Dias da Silva (Guaxindiba)

2º lugar _ Francielle Gonçalves - E.M. Ilda Muylaert (Brejo Grande)

3º lugar _ Beatriz da Silva Barreto – E.M. Doloris Francisca de Melo (Lagoa dos Paus)


Categoria Juvenil
Texto: “Diálogo de todo dia” _ Carlos Dummond de Andrade.

1º lugar _ Maria Eduarda M. de Castro - E.M. Manoel Alves de Carvalho (Praça Imaculada)

2º lugar _ Gabriela França Paes - E.E.M.Dirceu Dias da Silva (Guaxindiba)

3º lugar _ Bruna da Silva – E.E.M. Miguel Nunes Barbosa (Estreito)

QUERO VIVER - POEMA DE GLEICY BARRETO

A Jovem e talentosa poetisa Glaicy Barreto nos premia com esse poema.

GleicyBarretO


Quero viver

Todas as rimas do mundo tentei fazer
com a intenção de agradar você
Todos os tempos que chorando passei
foram por você

Enigmática forma de prazer
obscuro modo de não ver
capacidade de querer
burrice em não saber

Serei uma estrela perdida ao céu
um pássaro sem ninho
um caminho sem flores
serei eu, serei você
ou serei tudo que não queria ser
querendo apenas amar você

Serei forte, serei fraca
serei amada e desejada
serei seu sorriso por trás das lagrimas
o sol por dentre as nuvens
a flor dentre os buquêres
serei apenas eu
esperando por você
acordando para um mundo que não sei entender


Afinal amo ou não amo você
já não sei mas o que quero entender
apenas quero viver!

Gleicy Barreto'

FIO D`ÁGUA - POEMA DE NINA ARAÚJO


FIO D'ÁGUA

nosso amor era um rio
onde o curso foi desviado
deixaram um braço traquino
de riacho desamparado

com a vazão reduzida
e a força toda espalhada
enfraqueceu no desvio
virou fio de córrego morto

desde então fez outro rumo
tanto aprendeu com as pedras
que agora seu nome é porto.

Nina Araújo

Fiquei encantado com esse Poema da Nina Araujo e não resistí o desejo de postá-lo.

IDEALISMO - POEMA DE ODMAR LEITE LINHARES EM HOMENAGEM A ROBERTO ACRUCHE


IDEALISMO

Estrela fulgurante e de brilho intenso
Esplendorosa luz que aos invejosos cega,
terás lugar no firmamento imenso
pois só os puros seu valor enxerga.

Tentando empanar o fulgor da tajetória
que com destemor caminha firmemente,
invejando aqueles que na luta inglória
não tem no idealismo o alvo permanente.


E se te lançam tropeços no caminho
e se a tua alma, a tua estrada cobrem de espinhos,
para impedir a tua caminhada
sempre forte, altivo e altaneiro...


Caminhas firme, de cabeça erguida
porque o lema maior da tua vida
é fazer de cada ser um novo companheiro.

MISSA REZADA EM TROVAS

1eros. Juegos Florales Mérida-Venezuela 2010
Cardeal Baltazar Cardozo rezando a Primeira Missa em Trovas em Espanhol, na Catedral de Mérida. A Missa em Trovas foi escrita A. A. de Assis. - Assis é fidelense de nascimento e hoje reside em Maringá-PR

FAVELA


FAVELA

Favela

Aquarela

Vida Amarela

No Morro ou na Periferia

Ora é alegria

Ora e tristeza,

Fome, pobreza...

Ora é realeza!

Gente que com esperteza

Dribla a sorte

Escapa da Morte

Tem que ser forte

Faz carnaval!

Favela

Festival...

De sonhos e esperança

Mesmo quando não alcança

Vencer o carnaval.

Favela...

Do bem e do mal

Onde se faz poesia

Da pobreza e da tristeza

Transformando em alegria

A triste realidade

Com tanta verdade

Que aonde ninguém queria viver

E vive sem querer

Precisa viver

Pra vida vencer

E não deixar morrer

Os sonhos, a esperança,

E como tal

O Carnaval.

Roberto P. Acruche

NÃO ESPERE


Não espere

Não espere que eu escreva
Somente palavras de amor
Não espere que me atreva
O só falar sobre a dor

Não queira ouvir só a verdade
Também sei mentir e enganar
Meus versos sobre saudade
Eu aprendi a inventar...

Escrevo de tudo um pouco
Não creia no meu versejar
Sou como aquele poeta louco
Que do amor só ouviu falar...

Tere&tere

CENTENÁRIO DE NOEL ROSA NA PEDRALVA

Diretoria da Pedralva: Secretário Dr. Thelmo Albernaz - Presidente Suely Pretrucci e Vice-Presidente Roberto Pinheiro Acruche.

Historiador Marcelo Sampaio que fez bela palestra sobre a vida de Noel Rosa
Secretário Municipal de Cultura

A Academia Pedralva Letras e Artes, encerrou o seu ano acadêmico com bonita festa de confraternização e homenagem ao centenário de nascimento de Noel Rosa. A solenidade foi aberta pela Presidente - Acadêmica Sueli Maria Vasconcellos Petrucci que após apresentar o palestrante, o historiador Marcelo Sampaio, este brindou a todos contando brilhantemente toda avida do compositor Noel Rosa , sendo finalmente muito aplaudido. A Academia Pedralva sob a presidência da Acadêmica Sueli Petrucci, marcou este ano de 2010 com excelente programação. Entre elas a exposição literária dos Acadêmicos Roberto Pinheiro Acruche, Aldiney, José Viana Gonçalves e José Gurgel. A Academia também teve brilhante participação na 6ª Bienal do Livro, com exposição de vários trabalhos literários. Um outro evento marcante foi a palestra do Professor e Acadêmico Joel Soares. Logo após o recesso acadêmico, serão realizadas as solenidades de premiação dos concurso de Crônicas em homenagem ao centenário da Escritora Raquel de Queiroz e o concurso de Trovas com o tema - Noel Rosa, que teve a participação de Trovadores de vários Estados do Brasil.

LÁGRIMAS DESAUDADE

LÁGRIMAS DE SAUDADE
Em homenagem ao “Seu Lauro”
Enxadeiro, trabalhador,
que capinava as terras do meu pai.

Pega na enxada fio!
Fio home tem que se trabaiadô!
Ocê já tá cum dez ano,
Já percisa trabaiá,
Di modo seu pai judá
Criá os fios menó.
Oia só...
Seusirmão...
Antonho cum quasi nove ano...
Margarida cum oito,
Chiquinho cum seti...
Parmiro vai fazê seis...
Isaura tá quasí cum cinco...
Manezinho vai pra quato...
Porcina tá quasi cum dois
E dispois, ta inté chegando
Unzinho.
Quando ôcê mais crecê
Vai tomá conta do roçado
Qui fica daquele lado
Pras banda du norte.
E si tivé sorte
Vai morá cum uma cabocla
Qui já inté sabi faze sopa
Di modo ocê janta.
Mas meu fio...
Vô ti falá, aprêndi rezá
Pra ocê firmá trato cum nosso sinhô
Si não os marvado
Vão ti botá olhado.
Lembro quando eu era mínino piqueno
Iguarzinho ocê,
Qui meu pai foi mi benzê
Pra mi protegê
Lá na igreja du seu padre
São Jorge mi deu vigilânça
E eu desdi criança
Trabaio... Trabaio... Trabaio...
Fiz nossa cazinha de palha
Mas nun atrapaia nos vivê.
Só quero tudinho fazê
Pra quando morrê
Do sinhô recebê
As chave do céu.
Vô ficá perto da lua
Ondí São Jorge já mora
Mesmo imbora
A lua tem hora
Num sei purquê
Num dexa a gente
São Jorge vê.
Quandu eu tivé lá em cima
Oiando aqui pra baxo,
Acho, que vô chorá de sardade,
I minha lágrima vai se tanta
Que vai molhar as planta
Dí modo ela crescê.
Ocê vai vê.

Roberto Pinheiro Acruche

MENSAGENS RECEBIDAS

Parabéns poeta Roberto Acruche.
Essa divulgação dessas trovas magníficas me faz um bem enorme.
Considero o meu melhor presente de fim de ano.
Somente um ser iluminado tem essa preocupação de divulgar essas estrofes magistralmente construidas,por autores donos de inspiração ímpar.
Que Deus lhe ilumine sempre.
Com apreço e admiração Geraldo Amancio.

POR MAIS QUE SEJA PROFUNDO
O GOLPE QUE A DOR DESFERE,
NÃO HÁ NADA NESTE MUNDO
QUE O VENCEDOR NÃO SUPERE.

PRA QUE EU NÃO SEJA SOMENTE
UM AÇUDE DE ÁGUAS MORTAS,
QUERO VOCÊ COMO ENCHENTE
LAVANDO AS MINHAS COMPORTAS.

AO CONTRÁRIO DOS ATEUS
EU PENSANDO SEMPRE ESTOU;
DEUS SEM MIM É SEMPRE DEUS
E EU SEM DEUS O QUE É QUE SOU?.

Gearaldo Amancio Prereira-CE




Roberto, Obrigado pelo envio e parabéns pela sua trova de Natal.
Gostei muito dela e comparto pessoalmente com o que foi dito.

Abraços, Alberto Fioravanti

Minha saudade e alegria
no Natal é recordar
do amor que meu pai trazia
quando vinha me abraçar!
Roberto Pinheiro Acruche -




Bom dia, respeitabilíssimo Mestre, poeta e amigo Roberto Acruche.
Recebo com enorme prazer mais um número deste magnífico informativo cultural TROVAS E POEMAS, tão bem organizado por você para divulgar a poesia, especialmente a TROVA em toda sua plenitude para o Brasil e para o mundo virtual.
É um verdadeiro desfile de poemas inesquecíveis de tantos amigos, além de uma sempre destacada galeria de fotos, tornando possível conhecer-se melhor nossos irmãos trovadores.
Obrigado, nobre poeta.
Aproveito para desejar-lhe um Natal e Ano Novo repletos de muita paz e luz!
Deixo também mais duas trovas de minha autoria:

Cadeira velha!...Esquecida,
sem dono e sem mais ninguém,
só a saudade atrevida
reclama a ausência de alguém!

Morre a tarde!...E ao fim do dia,
na imagem do sol poente,
há tintas de nostalgia
do fim da tarde da gente!

Abraços,Prof Garcia.-RN


Rio de Janeiro, 06 de dezembro de 2010:
Prezado Acadêmico e Delegado da UBT -RJ., Roberto Acruche, agradeço ter me colocado em sua Revista "TROVAS E POEMAS" de nº 22 que está excelente, como as anteriores, que tenho lido. Amanhã, dia 7 de dezembro, estaremos lançando na sede da CONFEDERAÇÃO DAS ACADEMIAS DE LETRAS DO BRASIL, a Antologia Jubileu de Ouro da Academia Brasileira de Trova, com o hasteamento da nossa Bandeira Comemorativa dos 50 anos do Sodalício, que foi fundado em 26 de dezembro de 1960 por Antonio Vicente de Paula Faria. Estarei remetendo para vossa Biblioteca a referida Antologia 2010, a do ano anterior também, e, meus 3 últimos livros com cordéis, sonetos e trovas, sendo que "50 POEMAS ESCOLHIDOS PELO AUTOR", foi lançado inicialmente em Junho de 2010, na Academia. Brasileira de Letras e posteriormente, no dia 24 de novembro de 2010, no PEN CLUBE DO BRASIL, do qual sou Membro efetivo desde 2008.
Um grande abraço,
Messody Ramiro Benoliel Presidente da Academia Brasileira de Trova
Presidente da Sociedade Literária do Soneto
Caro Irmão na Trova Roberto Acruche:

Suas páginas de divulgação da Trova prestam um grande serviço ao Movimento Trovadoresco Brasileiro e à nossa UBT. Parabéns!
E aplaudo também a sua homenagem a José Feldman, cujo trabalho em prol dacultura é edificante!
Agradeço a inclusão de minha trova em sua publicação.
E aqui vão mais duas:
Natal!
Com fervor profundo,
minha prece ainda insiste:
- Senhor, não haja no mundo
nenhuma criança triste!

Guarda sempre esta mensagem
da própria vida que diz:
- É feliz quem tem coragem
de acreditar que é feliz!

Feliz Natal! E meu fraterno abraço.
Carolina Ramos-SP
É muito bom ter amigos e receber mensagens que nos conforta!
Obrigado!

Quem Sou eu

Eu sou um caso,
um ocaso!
Eu sou um ser,
sem saber quem ser!
Eu sou uma esperança,
sem forças!
Eu sou energia,
ora cansada!
Eu sou um velho,
ora criança!
Eu sou um moço,
ora velho!
Eu sou uma luz,
ora apagada!
Eu sou tudo,
não sou nada!
Roberto P. Acruche

ESCREVA PARA MIM!

rpacruche@gmail.com
Visitas

free counter
Orbitz Cheap Ticket

Visitantes Online